Comunicar Mais      
STF decide que tatuados não podem ser barrados em concursos públicosBrasil    Imprimir

17/08/2016 19:30
STF decide que tatuados não podem ser barrados em concursos públicos
Corte aceitou o recurso de um candidato ao concurso de soldado da Polícia Militar (PM) de São Paulo que, em 2008, foi aprovado nas provas escrita e de condicionamento, mas foi considerado inapto nos exames médicos

Agência Brasil 1 comentrio          

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (17) que candidatos a concursos públicos não podem ser barrados nos processos de seleção por terem tatuagem. A decisão deverá ser seguida por todas as instâncias da Justiça.

A Corte aceitou o recurso de um candidato ao concurso de soldado da Polícia Militar (PM) de São Paulo que, em 2008, foi aprovado nas provas escrita e de condicionamento, mas foi considerado inapto nos exames médicos por ter uma tatuagem com a imagem de um mago na perna.

Por 7 votos a 1, o STF seguiu voto proferido pelo ministro Luiz Fux, relator do recurso. Segundo o ministro, o critério de seleção de candidatos não pode ser arbitrário e deve ser previsto anteriormente em lei. Para Fux, as distinções devem ser obedecer a critérios objetivos, sem discriminar os candidatos. "O fato de uma pessoa possuir tatuagens, visíveis ou não, não pode ser tratado pelo Estado como parâmetro discriminatório contra o deferimento à participação em concurso”, disse o ministro.

O ministro Marco Aurélio foi o único a votar contra, por entender que o edital do concurso previa que os candidatos tatuados seriam submetidos à avaliação preliminar da tatuagem.

Antes de ir ao Supremo, o candidato recorreu à primeira instância e ganhou o recurso, mas a sentença foi reformada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. Na decisão, o tribunal entendeu que a restrição de candidatos com tatuagem estava expressamente prevista.


Notcias Relacionadas

  • Candidatos do concurso da Polícia Civil da Bahia denunciam falhas na aplicação das provas

  • Por 6 votos a 5, ministros do STF negam habeas corpus preventivo a Lula

  • Gilmar Mendes concede prisão domiciliar a Adriana Ancelmo

  • CNJ decide investigar folha de salários de juízes de todo o país

  • Emenda constitucional que autoriza vaquejadas é promulgada pelo Congresso

  • Entidades defendem no STF mudança de registro civil para transexuais

  • STF nega pedido de liminar do deputado Ricardo Izar para barrar PEC da vaquejada

  • Ato nacional contra a vaquejada mobiliza protetores de animais em Salvador

  • Barroso libera para julgamento do STF ação sobre auxílio-moradia para juízes

  • Fórum da Proteção Animal da Bahia discute proibição da vaquejada

  • OAB Bahia discute proibição da vaquejada pelo STF

  • Polêmica da proibição da vaquejada é debatida na TV Assembleia

  • Brasília: Ana Rita Tavares representa proteção animal da Bahia em Audiência Pública

  • Vereadora de Salvador classifica vaquejada como "circo de horrores" e elogia STF ao proibir prática

  • Supremo Tribunal Federal considera vaquejada ilegal

  • CCJ do Senado aprova reajuste para salários de ministros do Supremo Tribunal Federal

  • STF determina que WhatsApp seja imediatamente restabelecido em todo país

  • STF quebra sigilo de advogados que atuam na Operação Lava Jato


  • ComentriosComentar Notcia
    gVa18SZV
    01/03/2017 01:33
    Why single out the police?All government agencies look after the hand that feed them after all they want promotion and a long caH.urrreman Wrongs Commision, Medical Complaints Authority, Privacy Commision, Race Relations .... et al.They do nothing other than make cushy jobs for themselves and print pretty brochures.
    PUBLICIDADE






    PUBLICIDADE