XXII Bienal de Música Brasileira : nove compositores da Emus/Ufba terão suas obras inéditas em eventoCultura / Lazer    Imprimir

09/11/2016 23:45
XXII Bienal de Música Brasileira : nove compositores da Emus/Ufba terão suas obras inéditas em evento
Cada um dos selecionados receberá um prêmio no valor de R$ 30 mil

Edgardigital - Ufba 1 comentrio          

A Fundação Nacional de Artes (Funarte) anunciou neste mês de novembro, os vencedores do Prêmio Funarte de Composição Clássica 2016, cujas partituras inéditas submetidas à competição vão compor o repertório da XXII Bienal de Música Brasileira Contemporânea, que a instituição realizará em outubro de 2017.

A Escola de Música da Ufba (Emus) teve uma notável performance no Prêmio, com sete compositores selecionados, entre professores, estudantes de pós-graduação, graduação e ex-alunos, além de ter dois compositores escolhidos para escrever obras encomendadas para a Bienal. Serão, portanto, nove obras de pessoas ligadas à Emus entre as 60 de todo o país que vão integrar a Bienal em outubro.

Os dois compositores Universidade que receberam encomenda de obras para a Bienal, foram selecionados por uma comissão eleitoral de 10 intérpretes de notório saber; professores Paulo Costa Lima e Wellington Gomes. O júri tinha a incumbência de escolher 15 nomes de todo o país e, além da honraria, cada um deles receberá um prêmio no valor de R$ 30 mil.

Os sete selecionados da Emus no Prêmio de Composição Clássica, que no total escolheu 46 compositores de todo o país, foram o professor Guilherme Bertissolo, na categoria “Conjunto de seis a dez intérpretes”; o doutorando Vinícius Amaro e o estudante de graduação Luã Almeida, na categoria “Conjunto de três a cinco intérpretes”; o doutorando Alex Pochat, o compositor graduado Daniel Ferraz, hoje mestrando na Universidade McGill no Canadá, e os ex-alunos Paulo Cézar Santana, e Marco Antônio Feitosa, todos premiados na categoria “Solos, Duos, Acusmática, Eletroacústica Mista e Coro”. Diga-se logo aqui que seis deles – a exceção é Marco Feitosa –  integram o Grupo de Pesquisa CNPq-Ufba ‘Composição e Cultura’, liderado por Paulo Costa Lima e Bertissolo. E uma curisidade: Alex Pochat e Vinícius Amaro são orientandos de Paulo Costa Lima. Todos os premiados receberão prêmios entre R$11 mil e R$22 mil, a depender da categoria em que estão enquadrados.

As 46 obras  que estarão na XXII Bienal – além das 15 encomendadas -foram selecionadas de um total de mais de 300. Melhor dizendo, de algum número entre 300 e 500, explica Bertissolo, já que cerca de 275 compositores se inscreveram e cada um podia apresentar até duas partituras inéditas.

A Bienal de Música Brasileira Contemporânea acontece desde os anos 1970, derivada do antigo Festival da Guanabara e sua consolidação deve muito ao compositor catarinense Edino Krieger.

No Festival de 1969, o grande vencedor foi o santista José Antônio Rezende de Almeida Prado (1943-2010), reconhecido como um dos maiores expoentes da música erudita contemporânea no Brasil.

Mas a Escola de Música da Ufba, então ainda nomeada Seminário de Música, já fez ali bela figura com seu grupo de compositores: três deles, Lindembergue Cardoso, Fernando Cerqueira e Milton Gomes, estavam entre os finalistas. No ano seguinte, Ernst Widmer, personagem da maior importância na música e na Ufba, foi o vencedor. E vários outros foram premiados desde então. Tudo isso tem relação direta e visceral com o “Movimento de Composição na Bahia”, explica Paulo Lima. “Esse é nome que damos – acrescenta – aos 53 anos de atividade do ensino de composição na Ufba, iniciado ainda em 1963”.



Notcias Relacionadas

  • Grupo de Direito Penal Internacional da Ufba representará Brasil em Haia

  • Diretora da Edufba vence prêmio internacional de editores universitários

  • Pint of Science leva cientistas a bares para conversar com o público

  • Metade dos cursos da Ufba avaliados pelo Enade tem conceito máximo

  • Ufba adota cotas nos cursos de pós-graduação

  • Ufba e PM-BA firmam convênios que visam ampliar segurança da comunidade universitária

  • Alunos da Ufba e Uneb poderão cursar disciplinas em ambas instituições

  • Tese sobre mecanismo de defesa ativado pela leishmaniose ganha Prêmio Capes- Interfarma de Inovação e Pesquisa

  • Laboratórios compartilhados no Instituto de Física já atraíram R$ 23 milhões em financiamentos

  • Ciência da Informação: Ufba reúne pesquisadores e programas de pós graduação de todo país

  • Carro de corrida feito por alunos da Ufba vai participar da Fórmula SAE

  • Resíduos de óleo vegetal coletados na Ufba vão servir à produção de biodiesel

  • Imposto de Renda 2016: declaração pode ser feita gratuitamente na Ufba até 28 de abril

  • Ufba promove ciclo de debates sobre Crise e Democracia

  • Ufba abre processo seletivo para indígenas aldeados e quilombolas


  • ComentriosComentar Notcia
    uJfPP8BX
    01/03/2017 03:17
    Ja! Med en myk overgang.  F.eks.: De som har kommet litt opp i klassetrinnene får bruke til de begynner på vgs. Første og anedsklaesingrr (de har så vidt begynt å skrive/lese) begynnner med bokmål.  Poenget er å få bort nynorsk fra det offentlige rom.
    PUBLICIDADE




    PUBLICIDADE